domingo, Abril 24, 2005

“AQUECIMENTO GLOBAL”: MITO OU REALIDADE?

No «EXPRESSO» do dia 23 de Abril, no suplemento de «Economia & Internacional», Edição nº 1695, pág. 20, foi publicado o seguinte artigo do autor do blog Mitos-Climáticos.

No dia 27 de Fevereiro passado um anticiclone móvel polar (AMP) saído do Árctico cobriu a Escandinávia. No dia seguinte, 28 de Fevereiro, um AMP nascido na Gronelândia juntou-se ainda a outro que nasceu no Árctico nesse mesmo dia e sobrevoaram o sul da Escandinávia.

A conjunção destas duas massas de ar frio produziu uma potentíssima aglutinação de AMP que transferiu, no dia 1 de Março seguinte, rapidamente, ar frio em direcção ao sul da Grã-Bretanha e ao noroeste da França.

No dia 2 de Março o frio invadiu a Espanha. O ar frio do anterior anticiclone móvel polar fez cair neve sobre a Grã-Bretanha e a França. Esse frio foi estancado nas camadas baixas pelos montes Cantábricos, mas sobre os oceanos alimentou a circulação de ar que originou ventos atlânticos.

Em 3 de Março passado, mais um AMP invade a França e é estancado pelos montes Pirinéus – Cantábricos e pelos Alpes mas atinge o Mediterrâneo passando entre os desfiladeiros destas montanhas. O ar frio torna-se em ar húmido do Mediterrâneo (com a aglutinação dos anteriores AMP) e cai neve em Espanha, no sul da França, na Itália e até no Magrebe.

Ao mesmo tempo, um outro conjunto de AMP (oriundos da Gronelândia e do Árctico), aparece em 3 de Março e no dia 4 já está a atingir o norte da França. Esta aglutinação acaba por provocar um nevão no leste da França.

Este tipo de situação foi a regra, na Europa ocidental, durante as últimas 3 semanas de Fevereiro, provocando nevões (tal como já acontecera em Janeiro) e quedas de recordes de frio. No entanto, parte dos media manteve um silêncio sepulcral relativamente ao estado do tempo preferindo falar no aquecimento global e na entrada em “força” do Protocolo de Quioto!

Uma situação como a deste Inverno mostra claramente que a temperatura não é um problema abstracto a tratar pelos modelos climáticos teóricos mas sim o resultado das transferências meridianas de ar e de energia provocadas pelos anticiclones móveis polares que não só comandam o tempo nas altas e médias latitudes mas também os ventos e, finalmente, a circulação geral.

Ela mostra igualmente a direcção do fenómeno e identifica claramente qual é a causa e qual é o efeito. Mas há muitas coisas a dizer… Particularmente, este Inverno comportou-se exactamente ao contrário das previsões do IPCC.

Mas isto não é novidade para quem há muito diz que a teoria do aquecimento global devido aos gases com efeito de estufa de origem antropogénica não passa de uma pseudo – ciência saída dos modelos climáticos. Esta situação vai-se repetir nos anos próximos.

“Afortunadamente”…o Protocolo de Quioto entrou em «força» nesse exacto mês de Fevereiro, pelo que tudo está previsto para cortar o consumo de energia, nomeadamente a eléctrica, em todos os sítios onde ela seria necessária, como sejam nos hospitais (com pessoas a enregelar), nas escolas (os alunos e os professores a tiritar), nas fábricas (com os trabalhadores a baixar a produtividade) e nas habitações (com seres humanos a procurar meios antiquados de aquecimento para sobreviver).

A Natureza demonstrou em tempo real (visível através dos satélites) a gratuitidade do Protocolo de Quioto, dos PNAC, dos SIAM (tanto dinheiro deitado à rua…), etc.

É caso para agradecer aos decisores políticos e aos seus assessores, “cientistas” que têm a prosápia de se auto-intitularem especialistas em alterações climáticas…que não faltam a qualquer noticiário de TV para alarmar a opinião pública.

Todos eles deviam agora explicar a esta mesma opinião pública para que vai servir a transferência para o estrangeiro de cerca de 1000 milhões de euros dos portugueses em direitos de emissões que vão parar direitinhos aos bolsos de países como a Rússia, que se apresentará como nossa concorrente no mercado internacional, aumentado a competitividade das respectivas economias enquanto reduzem a de Portugal. E viva o desenvolvimento sustentável…em palavras.

E tudo isto sem o mínimo reflexo no clima, já que o designado mercado de carbono terá a mesma influência no clima que terá qualquer “marché aux puces”.

4 Comments:

Anonymous Anónimo said...

não acredito em aquecimento global; mas defendo a proteção da fauna e flora mundial.

12:26 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

eu acho que tu é um bundamol pega-ningue!
e viva o quecimento global!!!!!!!!!!!!!!

4:17 da manhã  
Blogger jhonata said...

eu tambem não acredito em aqueimento global mané !!!!!!!!!!!!!fuiiiiiiiiiiii

1:06 da tarde  
Blogger Marcel Heck said...

ta podemos estar passando por um resfriamento global mais isso não quer dizer que podemos destruir o nosso planeta por causa de uns cientista vem na mídia e falam que podemos relaxar que não estamos no aquecimento global . Não importa o que dizem temos a missão de cuidar do local onde viemos

4:10 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home